quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Guia: o que você precisa saber antes de comprar seu próximo telefone celular

Em duas pesquisas diferentes, realizadas pela Nokia e pela Samsung, as concorrentes indicam que o celular é, hoje, o eletrônico mais importante na vida do brasileiro. Ainda de acordo com os dois estudos, ao comprar um telefone móvel, os usuários querem câmera integrada, tocador digital e que a solução tenha acesso fácil a redes sociais, com conexão à web.
A maior parte dos celulares presentes no mercado conta -- em maior ou menor grau -- com todos estes itens. É raro, embora existam e sejam indicados para um público específico, avesso à tecnologia, encontrar uma máquina sem câmera fotográfica (mesmo que VGA), que não toque música (no mínimo, MIDI) ou que não entre na internet (considerando até mesmo WAP). Entretanto, há especificações e especificações de aparelhos, que partem desde configurações rudimentares até dedicadas a atividades específicas.
Veja o que você deve considerar antes de comprar seu próximo telefone celular.
Celulares de Entrada
Os modelos mais simples do mercado são voltados a um público específico, formado principalmente por aqueles que não têm intimidade com a tecnologia. Com preços de até R$ 100 (pré-pago), são indicados também a quem vive perdendo ou derrubando o celular. Sem máquinas fotográficas, sem câmeras e com itens que permitem pouco mais do que realizar ligações (como despertador, calculadora e teclado T9), esses telefones costumam atrair pelo preço e por serem menos frágeis do que equipamentos mais avançados, que podem ter a tela riscada, a câmera trincada e outros inconvenientes.

Fotos

  • Divulgação
  • Acesso à internet, tela sensível ao toque, aplicativos, câmera: veja modelos de telefone celular
“Não há nada para quebrar no meu celular. O teclado molha e funciona. O único capricho é uma lanterninha que eu nem faria questão, mas que já me salvou em alguns momentos”, diz o economista Alex da Rós, que adquiriu o modelo mais barato de uma loja depois de perder pela terceira (ou quarta, segundo ele) vez celulares medianos, que tinham câmera, tocador de música dedicado e acesso à web. “Como basicamente só uso para ligações, não tenho do que reclamar.”
Para usuários que desejam simplicidade aliada à economia, o ideal é mesmo um telefone de entrada. Para outros, que desejam extrair um pouco mais do aparelho, seja ouvindo música eventualmente, batendo uma ou outra foto, ou acessando a web (e que não percam ou deixem cair o aparelho a cada seis meses), telefones médios e smartphones são mais indicados. Nesses casos, a escolha do aparelho tem a ver com seu tipo de uso.
Esse público mais “avançado” deve ficar atento às funções descritas a seguir.
Fotos 
Para quem deseja adquirir uma câmera para tirar fotos “aceitáveis”, modelos dotados de capacidade de resolução com 2 megapixels são teoricamente suficientes para revelar fotos em formato 10 cm x 15 cm. Mas como “suficiente” nunca é bom para os fãs de tecnologia, 5 megapixels (que conseguem ampliar a foto com boa qualidade em até 50 cm x 75 cm) podem ser uma boa pedida (veja relação de resolução em megapixel e tamanho da ampliação no site da Kodak). Assim como ocorre com as máquinas fotográficas “de ofício”, entretanto, diferenciais como zoom, autofoco e flash devem atrair o usuário e ser determinantes para a compra.
Ainda no quesito resolução, 3,2 megapixels (ampliação boa em 28 cm x 36 cm) podem fazer um trabalho honesto, caso o usuário queira tirar fotos rápidas, dispense impressão em tamanhos grandes e as suba em redes sociais. Como é uma questão subjetiva o que é bom ou que é ruim em termos de imagem, dependendo do ideal do usuário, até mesmo as máquinas VGA (0,3 pixel de resolução) podem dar conta do recado – neste caso, a aplicação é meramente eletrônica, sendo inviável tentar impressão.
“Há modelos no mercado com sensor de luz embutido, flash xenon ou duplo que dão mais qualidade ao resultado final da foto”, conta Glauco Tâmega, da Nokia. “A possibilidade de filmar, além de fotografar, por meio de um botão específico da máquina, também é uma característica que pode atrair o consumidor que quiser investir em um celular para fotografar.”
Tocador digital 
Os botões (sim, botões!) devem ser observados por quem quiser comprar um celular para ouvir música. Controles externos - podem ser no corpo do aparelho ou no fone - são essenciais. Eles permitem começar a reprodução, parar, avançar e retroceder sem ter de operar o sistema do telefone. “Esses atalhos, aliados a um tocador intuitivo, garantem que a pessoa ‘mexa’ na música quando está andando, dirigindo, correndo, ou o que quer que seja facilmente”, complementa Tâmega, da Nokia.
Capacidade de armazenamento 
Os usuários que querem optar por um celular por conta de sua câmera ou devido à possibilidade de reproduzir músicas devem observar a capacidade de armazenamento dos brinquedinhos. Tanto a memória interna ou a expansível (por meio de cartões) fazem a diferença. O acesso de dados no cartão de memória é mais lento do que se eles estivessem guardados no próprio aparelho.

Redes Sociais
Com 2 GB de memória, em média, é possível armazenar 2.272 fotos (de 900 KB, com resolução de 2 megapixels, de acordo com a Fuji Film). Para imagens com maior resolução, com 8 megapixels, é possível guardar 464 arquivos. Para músicas em MP3, tradicionalmente, a conta é uma média de 1 minuto de música para cada 1 MB. As canções consideradas têm 3 minutos. Se em 2 GB há 2.048 MB, então aproximadamente cabem 682 músicas em um cartão de memória deste tamanho.
Para os usuários que querem um celular para brincar e acessar redes sociais, o ideal é optar por aparelhos com aplicativos específicos integrados - por meio deles, com um ou dois cliques é possível entrar no Facebook, atualizar o Twitter ou o Orkut. Aliado a isso, uma dica importante: o aparelho deve ter conexão Wi-Fi de acesso à internet. Caso contrário, o usuário terá de fazer um plano de dados (pago, é claro) para mexer na web.
A internet Wi-Fi permite que a pessoa acesse a rede em casa, em shoppings, em aeroportos e demais locais com sinal da rede – em muitos casos, não é necessário pagar por isso. Se o smartphone não tem esse suporte, o usuário gastará quando quiser entrar no Facebook, por exemplo, de acordo com a quantidade de dados trocada.
Antes de comprar... 
A maior dica quando o assunto é interface e internet, entretanto, é pessoal: mexa e fuce no aparelho antes de comprar (vale pedir os celulares dos amigos ou ir às lojas para isso). “Os atuais telefones têm muitas, muitas possibilidades e recursos. Para saber o que mais agrada, o melhor é fazer um ‘test drive’”, aponta Rodrigo Ayres, gerente de produto da LG. “Hoje em dia, quase todo mundo quer um celular com touchscreen. Mas nem sempre esse tipo de interface é boa na prática. Para saber o que funciona e o que falha, a única saída é tirar da caixa e testar.”
Ao tirar o telefone da caixa, também pode sair dela uma grande decepção ao usuário. De acordo com Ayres e Tâmega, analisar o que acompanha o aparelho - fones, cabos, cartões, tipo de carregador - é um diferencial. “A pessoa que irá investir em um smartphone quer ter uma solução completa no invólucro. Não ter que sair de casa para adquirir cabos e mídias em separado, por exemplo”, diz o executivo da Nokia. “Um kit com recursos multimídia dá valor agregado e satisfação ao cliente. E ele só pode perceber isso tarde demais”, finaliza o gerente da LG.

Fonte: UOL.com.br
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...