sábado, 6 de novembro de 2010

Faça mais com seu salário

Com educação financeira e disciplina dá para ter o que você sonha sem se afundar em dívidas

 Juros baixos, crédito fácil e produtos de sobra piscando nas vitrines. Nunca foi tão fácil comprar, ou entrar em dívidas. Para os especialistas em finanças, a solução para o aperto no bolso não é deixar de consumir, mas saber o que e como comprar. O terapeuta financeiro Reinaldo Domingos, autor do livro Terapia Financeira (Editora Gente), acredita que o problema começa cedo, ainda na infância, quando aprendemos a consumir, e não a poupar. Por isso é tão difícil conquistar sonhos que são caros sem entrar no vermelho, diz. Sair do sufoco financeiro pode até ser uma tarefa difícil, mas não é impossível.

O primeiro passo para uma reeducação financeira é adotar uma planilha de custos, analisando onde é possível fazer reduções e quais gastos podem ser eliminados. O segundo passo é respeitar o seu salário (veja quadro abaixo). Esse conceito pode parecer abstrato, porém, de acordo com Reinaldo, costuma funcionar. Ao deixar de desprezar o dinheiro e passar a respeitá-lo, você estabelece uma relação saudável com ele. Assim, ele deixa de ser um inimigo e se transforma em um aliado, afirma.

Estabeleça seus sonhos de consumo Para o planejador financeiro Fabiano Calil, de São Paulo, se uma família não consegue poupar nada no final do mês, precisa discutir o consumo de todos. Nas clínicas financeiras verificamos que, nesses casos, 50% do orçamento familiar está comprometido com empréstimos, dívidas e juros, comenta.

Agora, se você não está atolado em dívidas e, ainda assim, não consegue economizar 1 centavo, pode ser que esteja fazendo algo errado: deixando os sonhos em segundo plano. Para Reinaldo, os desejos de consumo devem ser colocados em primeiro lugar. Assim que se recebe o salário, deve-se tirar o dinheiro que será economizado para realizar os desejos. Por fim, diz ele, deve-se adequar as despesas ao valor dos sonhos, e não o contrário.

 Rumo à Europa com renda de 5 000 reais A publicitária Hanna Abou Jokh, de 29 anos, coordenadora de contas da Morya Comunicação, em São Paulo, sempre quis conhecer a Europa. Com uma renda de 5 000 reais, em apenas um ano ela poupou o suficiente para passar um mês viajando. A publicitária investiu quase todo o 13º salário na compra das passagens aéreas para visitar seis países. Gastei 4 600 reais para comprar todos os trechos. Do meu 13º só sobraram 560 reais. Mas valeu a pena, pois, como fiz as reservas com antecedência, paguei bem mais barato.

A hospedagem é um caso à parte: vai sair de graça. Hanna se inscreveu no CouchSurfi ng (www.couchsurfing.com), um serviço de hospitalidade virtual que possibilita a um viajante ficar hospedado gratuitamente na casa de um morador local. Mesmo assim, só por garantia, ela está guardando na poupança, com rendimento médio de 0,57%, cerca de 300 reais por mês. Tenho quase 2 500 reais. Além disso, vou receber um terço das minhas férias e a primeira parcela do 13º. No total, vou viajar com cerca de 7 000 reais no bolso, revela.

A partir de outras faixas de renda familiar, veja como economizar para fazer uma viagem semelhante à da publicitária:
2 500 REAIS
Decida seu destino com pelo menos dois anos de antecedência e faça uma poupança apenas para isso. A cada mês, deposite uma quantia equivalente a 250 reais, no mínimo. Isso somará 6 000 ao final de dois anos, sem contar os rendimentos, de até 0,57% ao mês, afirma o consultor financeiro Fabiano Calil. Para turbinar suas economias, você precisará diminuir bem, ou até eliminar, os gastos em todas as outras áreas. Assim como a publicitária, use seu 13º para adquirir as passagens  elas podem ser compradas até um ano antes da data de embarque com descontos de até 30%. Evite viajar entre junho e agosto  quando é verão no Hemisfério Norte e tudo fica mais caro. Faça reservas em hotéis econômicos ou albergues. Procurando bem, é possível gastar 277 euros (657 reais) com hospedagem durante os 30 dias. Mas as reservas devem ser feitas antecipadamente através de sites como o do Hosteling International (www.hostel.org.br), ou o booking.com, que oferece até 75% de desconto em hotéis de diversas categorias.

7 000 REAIS
Com essa renda mensal, é possível programar o embarque para a Europa com um ano de antecedência. Depois de definido o roteiro, invista parte do 13º salário na compra das passagens. Por mês, coloque cerca de 455 reais na poupança ou aplicação de renda fixa, reserva que será usada com gastos em hospedagem, alimentação e passeios, diz Fabiano. Ao final de um ano, se tiver aplicado na poupança, terá economizado cerca de 5 660 reais, com rendimento médio de 0,57%. Caso tenha escolhido os fundos de renda fixa, poderá ter quase 5 500 reais. Lá fora, procure não exagerar. Hospede-se em hotéis mais baratos. Procure os locais no site Booking.com. Com ele, é possível encontrar diárias em bons hotéis por cerca de 40 euros. Também vale segurar um pouco a carteira em restaurantes chiques. Em cidades como Roma ou Londres, a diferença pode ser de mais de 300 reais em um local sofi sticado.

10 000 REAIS
Valem as mesmas regrinhas de quem tem renda familiar de 7 000 reais. Se você investir 650 reais durante 12 meses na poupança, com um rendimento de 0,57% ao mês, poderá conhecer a Europa com pouco mais de 8 000 reais no bolso  algo em torno de 3 375 euros. Colocando tudo o que sobra do seu salário na realização desse sonho e com a ajuda do 13º e dos valores que você receberá logo que entrar de férias, é possível fazer uma ótima viagem, com direito a hospedagem em hotéis três ou quatro estrelas por precinhos camaradas  cerca de 150 reais a diária, o suficiente para 22 pernoites com a grana reservada.

Um carrão com renda de 7 000 reais O gerente de produtos da Sony Ericsson, Murilo Vargas, de 29 anos, tinha o sonho de dirigir até as montanhas da Patagônia. Para isso, decidiu comprar uma picape usada Mitsubishi L200 Sport HPE, ano 2006, por 60 000 reais.

Murilo adquiriu o carro à vista. Como ele conseguiu? Para evitar financiamento de longo prazo, me planejei para economizar até o momento de fechar o negócio. Cortei diversas despesas, como compras de ocasião e gastos com baladas, explica. Com uma renda em torno de 7 000 reais, durante um ano ele aplicou de 2 000 a 3 000 reais por mês em Certificados de Depósito Bancário (CDBs), que têm uma rentabilidade em torno de 0,6% ao mês. Ao final desse período ele tinha mais de 33 000 reais. O restante do valor ele conseguiu colocando o antigo carro, que valia 27 000 reais, na negociação. No começo de 2010 ele realizou seu sonho.

A partir de outras faixas de renda familiar, veja como economizar para conquistar um carro:
2 500 REAIS
Tente adquirir um carro à vista. Com quatro anos de poupança, depositando 420 reais mensais, com rentabilidade de 0,57% ao mês, é possível comprar um veículo que custe cerca de 23 000 reais. Pagando à vista, o valor do carro pode cair até 15%, dependendo da negociação, e você ainda consegue colocar itens extras. Agora, se não pode esperar muito tempo, a única saída é fazer um financiamento. Para ficar dentro do seu orçamento, as parcelas não devem ultrapassar 400 reais. Com juros de 1% ao mês, dando uma entrada de 5 000 reais  que pode ser economizada ao longo de um ano, aplicando 410 reais por mês na poupança  e financiando o restante do carro por 60 meses, as prestações do automóvel ficariam em torno de 390 reais.

5 000 REAIS

Vale a mesma regra de poupança utilizada para quem ganha 2 500 reais. Financiar o automóvel também pode ser interessante, uma vez que a taxa média de juros é de 1% ao mês, uma das mais baixas do mercado. Apenas evite as opções de parcelamentos sem fim  opte por um financiamento de até três anos. A partir daí, o veículo não tem mais garantia e começa a exigir manutenção. Podem surgir despesas maiores que as das parcelas pendentes, alerta Fabiano. Se você já tiver um veículo, deve colocá-lo na negociação e, assim, baixar o valor das parcelas.

10 000 REAIS
Com essa renda, dá para adquirir um carro utilitário, que custa cerca de 64 000 reais. Seguindo o exemplo de Murilo, se você der seu carro de entrada e ele valer algo em torno de 20 000 reais, as parcelas de um fi nanciamento, com 1% de juros ao mês, ficariam em torno de 965 reais. Agora, se você quer economizar e comprar à vista, é preciso aplicar 2 500 reais por mês em CDB, com rendimento em torno de 0,6% ao mês. Ao final de dois anos, você terá 47 000 reais. Colocando seu carro atual no negócio, você consegue adquirir um novo veículo sem nenhuma conta no final.
Uma casa para toda vida a partir de 5 000 reais
O administrador Marcelo Pavam, de 32 anos, diretor da Supernova Indústria de Alimentos, empresa de alimentos finos em conserva, construiu a casa ideal em Nerópolis, Goiás. Casado com Carolina, de 31 anos, e pai de três filhos, o casal tinha renda familiar de 5 000 reais e vivia de aluguel quando começou o projeto, em julho de 2009. Não poupamos nada antes da obra, mas fizemos um cronograma de quanto poderíamos gastar por mês e o seguimos à risca.
Para isso, foram cortadas despesas de viagens, saídas à noite e restaurantes. Mudamos para uma casa com aluguel mais barato e reduzimos as contas de água, luz e telefone, diz. A casa ficou pronta em janeiro de 2010. Tem 270 metros quadrados e custou 120 000 reais, incluindo os 40 000 da compra do terreno de 2 000 metros quadrados. O lote foi financiado em 100 parcelas, com uma entrada de 6 000 reais. A principal parte do dinheiro investido veio de uma herança de 35 000 reais e de um empréstimo com parentes, sem juros, no valor de 20 000 reais. Ainda temos seis prestações para pagar, o que consome 20% de nossa renda, explica.

A partir de outras faixas de renda familiar, veja como economizar para adquirir seu imóvel:
2 500 REAISAs duas opções mais viáveis para quem quer adquirir a casa própria são continuar pagando aluguel e economizar o máximo possível para comprar um imóvel. Ou juntar uma grana, dar de entrada na nova casa, mudar-se e financiar o restante. Para as prestações não pesarem tanto, essa entrada deve ser generosa, de pelo menos 50 000 reais, no caso de um imóvel de 100 000 reais. Isso faria com que as cerca de 180 prestações, média para financiamentos imobiliários, com juros de 1% ao mês, ficassem em torno de 580 reais mensais, explica Fabiano Calil. Se você não precisa pagar aluguel, invista na poupança. Economizando 580 reais por mês, com rendimentos de 0,57%, em seis anos você terá mais de 50 000 reais.

7 000 REAISPara quem está com o orçamento mais folgado, investindo 2 500 reais por mês em uma poupança, com rentabilidade de 0,57%, em dois anos é possível juntar mais de 50 000 reais para dar de entrada em um imóvel de 150 000 reais. O restante pode ser fi nanciado, com 1% de juros ao mês, em 180 vezes de cerca de 1 100 reais mensais. Caso planeje construir, vai ter de economizar o mesmo valor por quase cinco anos, apesar de incentivos como linhas de crédito especiais para a construção e da manutenção da desoneração do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre os materiais de construção. Essas facilidades podem ser conseguidas em bancos, por meio de um empréstimo específico para construção, com juros que variam de 1,66% a 3,13%. Aplicando seu dinheiro num CDB, com rendimentos de 0,6%, ao fi nal de 55 meses você terá 162 000 reais. Com esse valor é possível comprar um lote de 50 000 reais e investir o restante na construção de uma casa na região Cento-Oeste do país, onde esses valores foram apurados. Para outros lugares os preços podem mudar, mas as estratégias de poupança são as mesmas, diz Fabiano.

10 000 REAIS

Primeiro você terá de juntar uma entrada de, no mínimo, 40 000 reais. Aplique, todos os meses, 3 500 reais na poupança, com um rendimento médio de 0,57%. Um investimento pesado? Sem dúvida, mas ao final de um ano você terá mais que o necessário para a entrada. Com esse valor, em uma cidade como São Paulo, você pode adquirir um imóvel de 250 000 reais, financiando o restante com juros de 1% ao mês. A metragem e o tipo de imóvel podem variar muito, dependendo do bairro escolhido. De qualquer forma, as parcelas ficariam em torno de 2 400 reais. Usar o FGTS de todos os membros economicamente ativos da casa para quitar o imóvel é outra opção.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...